Setembro Azul – Mês de visibilidade da comunidade surda | NTT DATA

sex, 23 setembro 2022 - 6.01

Setembro Azul – Mês de visibilidade da comunidade surda

Você já ouviu falar sobre o setembro Azul? Falaremos nesse artigo sobre a importância do mês mais importante do ano para a comunidade surda. E vou logo explicando o motivo da escolha do mês.
Setembro foi escolhido o mês de visibilidade e comemoração das conquistas da comunidade surda por ter a maior concentração de datas referentes ao movimento. 
Dia 23/09 – Dia Internacional das Línguas de Sinais
Dia 26/09 – Dia Nacional do Surdo
Dia 26/09/1857 – Fundação do INES (Instituto Nacional de Educação de Surdos)
Dia 30/09 – Dia Internacional do Surdo
Dia 30/09 – Dia do Tradutor e Intérprete
Mas, dentre tantas cores, por que o azul é o sortudo que representa as pessoas com deficiência auditiva? 
O azul remete à faixa azul usada por prisioneiros com deficiência dos campos de concentração nazista durante a Segunda Guerra Mundial. Por esse motivo a cor azul também é utilizada como identificação no contexto de acessibilidade, não só para deficiência auditiva.
Em 1999, 54 anos após o término da Segunda Guerra, ocorreu no XIII Congresso da Federação Mundial de Surdos, na Austrália, a Blue Ribbon Cerimony (Cerimônia da Fita Azul) em homenagem aos surdos vítimas de opressão. Na ocasião, o Dr. Paddy Ladd, professor e pesquisador surdo, teve a iniciativa de se apresentar com uma fita azul no braço simbolizando o movimento.
A visibilidade à comunidade surda e à língua de sinais proporciona uma excelente oportunidade para conscientizar cada vez mais a sociedade a respeito das necessidades de inclusão e acessibilidade desse público.

Acessibilidade para pessoas com deficiência auditiva

Vivem no Brasil cerca de 10 milhões de pessoas com algum nível de deficiência auditiva, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mundo, são 500 milhões de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A OMS projeta que esse número dobrará até 2050.
De acordo com a Lei Brasileira de Inclusão (Lei nº 13.146 – 6 de julho de 2015), em seu 3º artigo, todo cidadão brasileiro tem direito à educação, informação e comunicação. No caso de pessoas com deficiência auditiva, esse direito é garantido pela utilização de tecnologias assistivas, como:
Aparelhos auditivos: amplificam os sons externos e possuem vários modelos que trabalham de forma diferente.
Implante coclear: dispositivo implantado cirurgicamente na cóclea, com objetivo de restaurar audição em pessoas com deficiência auditiva profunda que não se beneficiam de aparelhos auditivos convencionais.
Transcrição de áudio para texto: existem vários aplicativos que captam o som e o transcrevem para texto escrito; em aparelhos mobile existe a função nativa nas ferramentas de acessibilidade iOS e Android e é possível encontrar a transcrição em ferramentas de chamada, como por exemplo o Teams.
Ferramentas de detecção de barulhos em aparelhos mobile: também encontrada nas opções de acessibilidade de smartphones iOS e Android. Essa ferramenta consegue distinguir sinais e alertar o usuário via notificação textual.
Legendas: as legendas convencionais em português podem auxiliar, mas também há a legenda para surdos e ensurdecidos que traz junto das falas uma descrição dos sons entre colchetes, por exemplo [passos], [palmas], [música alegre], etc.
Língua de sinais: veremos a seguir como a língua de sinais se mostra cada vez mais fundamental para acessibilidade desse público.

Língua de sinais

No mundo, os surdos se comunicam de forma gesto-visual utilizando língua de sinais. Por exemplo: Nos Estados Unidos é utilizado a ASL (American Sign Language ou Língua de Sinais Americana); já na Inglaterra é a BSL (British Sign Language ou Língua de Sinais Britânica).
Aqui no Brasil temos a Libras (Língua Brasileira de Sinais) que é a língua materna das pessoas que se denominam surdas e que foram alfabetizadas em Libras. Dessa forma, é totalmente aceitável chamar um usuário de Libras que tenha deficiência auditiva de “surdo(a)”. Também existem no Brasil outras línguas de sinais, como a Cena, que se restringe a um grupo específico de brasileiros. Já a Libras é difundida em todo o Brasil.
Pelo ponto de vista social, é possível encarar a surdez como uma diferença cultural, se analisarmos que cultura é compartilhar símbolos, significados e valores – e a comunidade surda tem sua própria cultura fortemente através da sua própria língua, Libras.
Entendendo que os surdos têm sua própria língua, que é totalmente estruturada linguisticamente e natural à forma de receber e expressar as informações gesto-visual, recomenda-se a pessoas sem deficiência auditiva em sua comunicação textual adotar uma vocabulário simples, evitar o uso de metáforas e uso de palavras de outros idiomas.

Aplicando a Libras em acessibilidade


No uso de avatares de Libras, é possível fazer sua utilização com o auxílio de um profissional intérprete de Libras para garantir a compreensão da sinalização.
Em conteúdos audiovisuais, segundo a Lei nº 12.319/2010, é recomendado a interpretação por profissionais que tenham fluência comprovada em Libras e domínio do vocabulário em contexto seguindo as orientações da Federação Brasileira das Associações dos Profissionais Tradutores e Intérpretes e Guia-Intérpretes de Língua de Sinais (Febrapils) sobre a atividade de interpretação. 
Importante ressaltar o respeito ao tamanho mínimo da janela de intérprete. Segundo a ABNT, na Norma NBR 15.290 de 2005, o tamanho da janela de Libras deve ter no mínimo, a metade da altura e um quarto da largura da tela e deve haver contraste entre o fundo, a pele e cabelo do intérprete e roupa do intérprete.
Setembro é o mês de maior visibilidade dessa causa, mas é importante quebrarmos as barreiras de acessibilidade todos os dias. Isso exige muita empatia e a quebra de vieses preconceitos. Acessibilidade é um direito para todos e um dever de todos.

 


Don't miss any updates

We’ll send you the latest insights from NTT Data straight to your inbox

Sign up to the newsletter

Related Insights

How can we help you

Get in touch