IoT e a vantagem de ser um “early-adopter" | NTT DATA

30 06 2023

IoT e a vantagem de ser um “early-adopter"

As empresas que possuem em sua agenda a automação e otimização de processos certamente avaliam a adoção de IoT (internet das coisas). Afinal, a tecnologia traz benefícios que, com a chegada do 5G, podem finalmente ser aproveitados em todo o seu potencial, reduzindo custos e aumentando a eficiência. Entretanto, o entusiasmo inicial da equipe técnica muitas vezes para diante das famosas perguntas de qualquer CFO: quanto vai custar? O investimento se paga? Qual é o “pay-back”?

As respostas estão longe de serem simples.

Um conselho inicial é: não analisar o investimento para um único caso de uso. Cair nesse erro levará à inevitável conclusão de que o montante a ser investido será alto demais – e não serão justificados.

Deve-se analisar o investimento levando em conta todo o potencial de conectividade que pode migrar para a rede 5G. Afinal, ela proporciona altas taxas de dados e baixíssima latência, o que permite que ela concentre toda a conectividade da empresa, o que amplia o seu uso. Analisado sob esse prisma, o investimento passa a ser mais facilmente justificado.

O alvo das análises deve ser o benefício total a longo prazo e a possível integração de todos os sistemas. Atualmente, os diversos sistemas desagregados que temos nas corporações representam um alto custo de manutenção, possuem alto custo de evolução e requerem treinamento de diversas pessoas para suas operações. Além disso, possuem diversos pontos de falha. Concentrar tudo num sistema único, redundante, robusto, tende a trazer grandes benefícios a integração dos processos dentro das empresas e a sonhada evolução para a Industria 4.0.

É importante reforçar: a implementação dos casos de uso de IoT para otimização de processos tem de ser encarada como uma jornada e não apenas um projeto isolado. Observa-se que as empresas vitoriosas nessa jornada são aquelas que têm um suporte “top-down” ou seja, que venha do “C-levele não se limite à área de TIC.

Além disso, essa jornada deverá ter etapas muito bem planejadas, mas sem estarem presas a prazos e processos fixos. Inovar é uma atividade incerta. Ajustes fazem parte do processo. Atrasos e custos extras eventuais devem, portanto, não ser um empecilho à busca do resultado. Lidar com percalços e insucessos faz parte de qualquer processo inovativo. Mas isso não deve tirar o ânimo das empresas. A alternativa de se manter estática sem buscar a inovação é ainda pior: quem não investir para se tornar de fato uma indústria 4.0 irá perder competitividade – e o risco de desaparecer é imenso.

Esperar que outras empresas façam esse “trabalho duro” e indiquem um caminho mais seguro tampouco deve ser a estratégia adotada. As vantagens de ser um early adopter, ou seja, atuar na vanguarda, são inúmeras. Podemos citar quatro:

  • Competição Reduzida: ao dar o primeiro passo em direção à redução de custos, a sistemas mais eficientes na produção de melhores produtos, essas empresas ganham um tempo de vantagem para atacar o mercado e ganhar “market share”; é o que se convencionou chamar de “buscar o oceano azul”, ou seja, criar uma vantagem competitiva que tirará competidores do mercado;
  • Incremento de Receita: empresas inovadoras ganham market share e, em consequência, aumentam suas receitas. Também deve ser ressaltado que a empresa que fizer isso tornará a si e ao seu produto referência de mercado e conquistará a reputação de inovadora, estando no “top of the mind” de seus consumidores;
  • Maior apelo na Mídia: Ter grande participação de mercado e um produto inovador facilita o marketing “boca a boca”, o que reduz os custos de marketing tradicional. Especialistas sabem há tempos que a melhor propaganda é a feita espontaneamente pelos clientes, que passam a se tornar fãs e embaixadores da marca;
  • Crescimento Continuado: superar os riscos e custos de ser um “early adopter e tomar a dianteira de mercado cria um círculo virtuoso de: mais receitas, mais inovação e mais vantagens competitivas em relação aos concorrentes.

As oportunidades para enveredar por esse caminho e liderar o processo de inovação são inúmeras. Basicamente, todas as indústrias têm dores – problemas – que podem ser tratadas a partir de casos de uso de IoT. Existem casos de uso implementados nas empresas de praticamente todos os setores, como energia e infraestrutura, óleo e gás, varejo, financeiro, saúdo, seguros, agronegócio e telecomunicações.

Para implementar esses casos de uso, as empresas precisam ter ou buscar parceiros que tenham domínio em alguns pilares da automação: Conectividade (5G/4G); inteligência artificial (IA); gêmeos digitais; AR/VR/MR (realidade aumentada, virtual e mista); domínio de Ccouds públicas e privadas e soluções de “video analytics. Boa parte dos casos de uso podem ser implementados com o uso dessas tecnologias ou um mix delas.

Após, é preciso executar um bom planejamento para o ambiente inovativo prosperar e colocar esse plano em prática. A coragem de aceitar o risco do erro, a persistência e o foco na inovação são os diferenciais que as empresas precisam para percorrer essa jornada rumo à indústria 4.0. Certamente, as que saírem na frente terão maior probabilidade de vencer a corrida pela liderança de mercado e pela perpetuação num ambiente cada vez mais competitivo.

 

 

 


Don't miss any updates

We’ll send you the latest insights from NTT Data straight to your inbox

Sign up to the newsletter

Related Insights

How can we help you

Get in touch