Experiências do metaverso começam com pequenas jornadas | NTT DATA

08 06 2022 - 6.01

Experiências do metaverso começam com pequenas jornadas

Como as empresas podem explorar o metaverso. Quais são os tipos de experiências, aplicações e modelos de negócios que estão sendo usados neste início?

Como as empresas podem explorar essa nova tecnologia? Quais são os tipos de experiências, aplicações e modelos de negócios que estão sendo usados neste início?

Um exemplo de empresa que começa a criar aplicações para o metaverso é a NTT Data. Cauê Dias, gerente de pesquisa, desenvolvimento e inovação da companhia, explica que trabalha com o conceito de “grandes jornadas de web 2.0 com pequenas jornadas de web 3.0”. Com oito projetos de aplicações para o metaverso em curso na América Latina, a consultoria atua misturando realidades aumentada, mista e virtual.

Os projetos são feitos sempre de forma mobile e “hands free”, ou seja, sem o usuário precisar de um controle que atrapalhe ou retarde a experiência. Um exemplo foi feito com uma utility de energia no Brasil: usando um celular com realidade aumentada, o técnico vê um poste reluzente em três dimensões como um aviso de que precisa de manutenção.

Outro exemplo citado por Dias é na área imobiliária. Imóveis de uma empresa do setor são escaneados com o radar LiDAR de iPhones. Ao abrir o app da empresa, o usuário que estiver na rua usa a realidade aumentada do seu celular para ver quais imóveis estão disponíveis e fazer uma visita virtual ao local.

Na visão do gerente de inovação, as empresas devem fazer “alguma coisa no metaverso”, mesmo que sejam projetos pequenos, pois as linguagens são diferentes daquelas com as quais estão acostumadas. “Estamos falando para um banco tradicional usar Unity e Unreal, linguagens do mundo de games. Essas experiências ajudam a converter a cultura do cliente”, disse o gerente, logo após dar um treinamento para o board de um grande banco tradicional brasileiro. “É preciso entender: o 3D no metaverso, hoje, não cria economias. Mas pode resolver problemas. Por exemplo, nós acreditamos que o banco fará a custódia dos avatares, NFTs transacionados. Isso é um mercado novo para eles”, explica.

Até 2027, a NTT Data estima que metade de seus projetos serão voltados para o metaverso.

Modelos e negócios

De acordo com o seu estudo que explora oportunidades no metaverso, o JP Morgan explica que as chances comerciais passam por uma série de evoluções radicais de formatos da Web 2 para Web 3, como pode ser visto na tabela abaixo:

Tecnologias e estruturas Web 2 Web 3
Mundos virtuais Second Life, Roblox, Fortnite e World of Warcraft Decentraland, The Sandbox, Somnium Space e Cryptovoxels
Estrutura organizacional Posse centralizada com decisões baseadas em votos de acionistas Comunidades dirigidas por Organizações Autônomas Descentralizadas (DAOs), tokens nativos garantem a participação e a governança, e as decisões são baseadas no consenso dos usuários
Armazenamento de dados Centralizado Descentralizado
Formato das plataformas PC, console, mobile, VR/AR PC, console, VR, AR, mobile vem aos poucos
Infraestrutura de pagamento Conta em débito e cartão de crédito Carteiras cripto
Ativo digital Alugado dentro da plataforma Comprado via Non-Fungible Tokens (NFTs)
Portabilidade digital Travada na plataforma Transferível entre plataformas
Criadores de conteúdo Estúdios de jogos e ou desenvolvedores Comunidades, mas também estúdios e desenvolvedores
Atividades Socialização, jogos multiplayer, streaming de jogos e jogos competitivos Jogos com foco em ganhos (play-to-earn), experiências e as atividades do Web 3
Identidade Avatar na plataforma Identidade autossoberana e interoperável com anonimidade baseada em chaves-privadas
Meios de pagamento Moeda virtual dentro da plataforma Criptomoedas e tokens
Receita com conteúdo Revenue share de 30% a 70%, respectivamente entre plataforma e desenvolvedor P2P, desenvolvedores ganhando receita direto dos compradores, usuários e jogadores ganhando por partidas ou participação em DAOs, e ganhos com royalties em comércios secundários de NFTs para criadores de conteúdo/arte

Jennie Li, estrategista de ações da XP, acredita que o modelo de negócios no metaverso será “muito diferente” do sistema virtual da web dos tempos atuais: “Hoje é muito a questão do dono dos dados, a empresa ou o usuário. No metaverso, os dados são (totalmente) das pessoas. É uma ‘realidade virtual’ com modelos de negócios que podem ser diferentes hoje, justamente pelo fundamento de Web 3, criptomoedas e descentralização das finanças (DeFi)”, explica.

Citando casos como o tênis digital de edição limitada do jogador de basquete Stephen Curry, Genesis Curry Flow da Under Armour, avaliado em US$ 333, Fernando Moulin, sócio da Sponsorb e professor da ESPM, afirma que há negócios em curso nas realidades alternativas existentes. E que essas atividades – descentralizadas – mexem com o status quo.

“O que é o preço de um produto ou serviço? Tradicionalmente, uma pessoa quer vender algo e outra que pagar por isso. O que estamos vendo agora são assimetrias de mercado. Mas ainda não tem uma equação de valor constituída”, diz Moulin. “O que percebemos é que tem muita liquidez de capital no mundo. Esse movimento acontece junto ao avanço das criptomoedas e dos produtos baseados em NFTs. As pessoas entram em busca de alternativas de investimento”, completa, ao explicar a fome com a vontade de comer do mercado.


Don't miss any updates

We’ll send you the latest insights from NTT Data straight to your inbox

Sign up to the newsletter

関連する洞察

Related Insights

Advisory

JUNTE-SE A‏‏‎‎‏‏‎‏‏‎‏‎‏‏‎

‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎ ‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎ ‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‏‎‎ ‏‏

Advisory

JUNTE-SE A‏‏‎‎‏‏‎‏‏‎‏‎‏‏‎

‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎ ‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎ ‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‍‍‍‍‍‎ ‏‏‎‎ ‏‏‎‏‎‎ ‏‏