ChatGPT é como um estagiário – inteligente, mas que precisa de supervisão | NTT DATA

30 06 2023

ChatGPT é como um estagiário – inteligente, mas que precisa de supervisão

Nas últimas semanas, tem-se falado muito sobre o ChatGPT, uma inteligência artificial (IA) que se comunica com o usuário através de diálogos. Não poderia ser diferente. Trata-se de uma inovação que certamente trará impactos em praticamente todos os setores da economia e em muitos aspectos do dia a dia das pessoas. No meio de tanto deslumbramento com essa ferramenta, baseada na chamada IA Generativa, há muito receio que essa tecnologia possa tirar o protagonismo das pessoas, que seriam gradualmente substituídas no trabalho por um “algoritmo” ou uma “IA”. 

Esse receio, pelo menos por enquanto, não tem razão de existir.  

A SXSW, evento realizado recentemente em Austin, Texas, foi uma oportunidade para discutir inovação e tecnologia num âmbito muito maior do que apenas os aspectos técnicos. Diversos especialistas em suas áreas deram sua contribuição para analisarmos, de forma holística, o impacto de novas tecnologias, como a IA, dentro de um contexto mais amplo.  

Uma das análises mais interessantes foi de Kevin Kelly, co-criador da revista Wired, voz relevante no mundo da tecnologia e da cultura digital. Ele fez uma analogia sobre o papel que uma IA Generativa deverá ter na vida das pessoas: um estagiário pessoal.  

Sim, um estagiário. Enquanto muitos pensam que a IA poderá gerir uma grande empresa ou escrever o romance da nossa geração, um dos grandes entendedores no assunto diz que ela, neste momento, não passa de um – promissor e esforçado – estagiário.  

O que isso quer dizer? Que, por mais capaz que seja, ainda não faz sentido delegar tarefas nem transferir responsabilidades de decisões tomadas. Você faria isso a um estagiário recém-chegado?  

Obviamente, a analogia não deve ser lida com tom pejorativo nem demonstra qualquer desprezo pelos estagiários. A ideia é apenas ressaltar a ideia de que uma tecnologia – como uma pessoa – precisa ser testada e ganhar experiência até poder receber mais autonomia. Eu inclusive fui trainee (bonito título para um estagiário) numa empresa em que trabalhei por 30 anos.   

Diversas notícias de uso envolvendo o ChatGPT corroboram a analogia. Algumas tarefas dadas a ele foram muito bem executadas; outras necessitaram de revisão e correção; e houve algumas em que o resultado se mostrou uma verdadeira gafe. Novamente, algo que um iniciante numa profissão pode cometer se não for devidamente acompanhado por um profissional mais experiente.  

ChatGPT tem a incrível capacidade de “aprender” com base numa quantidade imensa de informações. Mas tem pouca capacidade de discernir entre todas as informações, a boa da ruim, a certa da errada. Para essa ferramenta, são todas informações que se conectam a partir de padrões identificados entre milhões de informações que lhe foram dadas. Não está guiado por senso comum ou discernimento do ético. E não tem a experiência ou sensibilidade para escolher as informações que se adequam a determinado contexto humanamente aceitável. O papel de ensinar-lhe isso é hoje é feito por funcionários da empresa que o criou, a OpenAI. Mas sua real efetividade em fazer isso ainda é baixa.   

A verdade é que ainda falta muito para a tecnologia de fato tirar o lugar dos bons profissionais, por mais que surjam casos em que a IA Generativa realize feitos assombrosos. Ela simplesmente ainda não é confiável em todos os casos – e não ainda sabemos se um dia será.  

O mundo que se desenha, e pelo menos sob esse aspecto, pode ser bastante alvissareiro: todos poderemos ter estagiários disponíveis 24/7 para nos ajudar em diversos aspectos de nossa vida – pessoal e profissional. Poderemos ter um “estagiário” que apoiará nossas finanças; um “estagiário” para acompanhar nossa saúde e alimentação; outro para nossos planos de viagens e férias; e por aí vai. E profissionais de diversos setores poderão ter um apoio importante em suas atividades, incrementando significativamente sua produtividade no trabalho.  

Com isso, finalizo com o relato da psicoterapeuta Esther Perel durante a SXSW. Ela contou que teve o conteúdo de seus livros, entrevistas, palestras etc. carregados num chatbot, chamado Ai Esther, por um desenvolvedor*. Esse desenvolvedor estava sofrendo com o término de uma relação afetiva e passou a ter conversas com “ela”, que teriam produzido um efeito positivo nele.  

Ao ver o teor das conversas, Esther disse ter ficado impressionada e se sentindo de alguma forma representada. Mas alertou para os riscos associados ao uso de um chatbot para a psicoterapia. E como falou Kevin Kelly, você teria um estagiário como terapeuta?   

Situações como essa mostram muito claramente os limites da IA generativa. Como um estagiário, ainda precisará aprender muito mais e ser testada em diversas situações até poder receber maiores responsabilidades. Até lá, nos ajudarão a ser mais produtivos e ter maior qualidade em nossos trabalhos. Que venha a nova turma de estagiários!! 


Don't miss any updates

We’ll send you the latest insights from NTT Data straight to your inbox

Sign up to the newsletter

Related Insights

How can we help you

Get in touch