Agilidade amadurece nas empresas brasileiras | NTT DATA

30 06 2023

Agilidade amadurece nas empresas brasileiras

Os últimos anos mostraram que grande parte das grandes empresas no Brasil já tem a filosofia ágil em seus processos. Se não tivessem, dificilmente teriam conseguido se adaptar às mudanças exigidas durante o auge da Covid-19. Somente companhias resilientes e com alta capacidade de resposta a mudanças reduziram danos ou, em última instância, sobreviveram.  

Um recente estudo publicado pela NTT DATA com 388 organizações de sete países da América Latina, entre eles o Brasil, mostrou a maturidade na adoção da Agilidade. Metade das empresas entrevistadas adotam a filosofia entre três e cinco anos e 20%, há pelo menos seis anos. Mais: 72% montaram escritórios de transformação – e 34% possuem mais da metade de suas equipes trabalhando com essa metodologia. 

São números que indicam um grau razoável de adoção da filosofia ágil da região. Somente 33% das empresas da região estão implantando Agilidade há menos de dois anos. E a Agilidade aparece cada vez mais em áreas fora dos domínios de Tecnologia, como RH e marketing. 

Podemos ir além e contextualizar o grau de maturidade das empresas posicionando-as em uma das quatro ondas de evolução da Agilidade. 

O primeira onda teve início há pouco mais de 10 anos. É a que chamamos de Agilidade nas Equipes, quando as empresas formam equipes ágeis de desenvolvimento. Foi a experimentação e popularização dos principais frameworks de Agilidade como o Scrum e o Kanban. A onda seguinte, iniciada em meados de 2015, foi sobre Agilidade em Escala, ou seja, o agrupamento de equipes ágeis em estrutura complexas em torno da construção de produtos digitais. Nessa onda, a Agilidade passa a ser um padrão na construção de produtos digitais e se concentra basicamente na área de Tecnologia.  

A terceira onda é a que leva a Agilidade para os negócios: Agilidade se torna parte do dia a dia da organização, desde a forma como a organização se estrutura em torno do valor, até no como a empresa se adapta às mudanças de mercado. Todas as camadas da organização adotam a mentalidade ágil para concepção e entrega do valor de negócio. É também o momento da experimentação e adoção de agilidade em áreas fora da área de Tecnologia.  

A quarta onda, é quando as empresas se tornam o que podemos chamar de Organizações Adaptativas, ou seja, a agilidade é a chave para desenvolves as competências da organização, e onde se torna altamente adaptável e busca a antifragilidade. 

Nossa experiência mostra que, na média, as empresas no Brasil estão na transição entre a segunda e terceira onda. Uma análise setorial mostra mais variação. Companhias de setores mais tradicionais e com décadas de existência estão nos estágios iniciais. Já startups e grandes empresas fundadas na última década, que nasceram digitais, estão no quarto estágio. 

Podemos dividir os desafios das grandes organizações são dois: tecnológicos e culturais. 

O primeiro pode ser resolvido com a adoção de tecnologias digitais modernas, como cloud, e a troca dos sistemas legados e processos antigos, o que demanda alto investimento e esforço sem impactar e prejudicar as operações existentes. Já o segundo depende de mudança de mentalidade das pessoas – algo que pode ser mais complexo de que a adoção de novas tecnologias.  

O estudo da NTT DATA mostrou que 72% das organizações entrevistadas apontaram a cultura organizacional como o maior obstáculo para a transformação ágil. Há uma dificuldade de os profissionais aceitarem a mudança e se adaptarem aos novos frameworks. 

Parte dessas mudança depende de a liderança abraçar a filosofia ágil. Quase 70% dos executivos e especialistas entrevistados disseram que convencer os líderes das equipes a adotar Agilidade é um dos principais obstáculos a ser enfrentados. 

O problema é conhecido: a resistência às mudanças. A Agilidade exige profissionais que se sintam confortáveis em sair da zona de conforto e aprendam a trabalhar de uma outra forma. Nem todos estão dispostos a isso. Não por acaso, “resistência à mudança” foi um desafio apontado por 61% dos entrevistados. 

Encarar esse desafio vale a pena. A Agilidade traz diversos resultados. Cerca de 60% dos entrevistados afirmaram que a implantação da agilidade aumentou a entrega de produtos e serviços; 56% viram ganhos de produtividade; e 56%, maior capacidade para lidar com a mudança de prioridades.  

À medida que as empresas abraçarem mais e mais a Agilidade, veremos esses resultados crescerem de forma exponencial. Bom para as empresas e bom para o Brasil, que terá organizações mais eficientes e produtivas. 


Don't miss any updates

We’ll send you the latest insights from NTT Data straight to your inbox

Sign up to the newsletter

Related Insights

How can we help you

Get in touch